PONTOLOVER

Viagem ao Atacama: Dicas de quem já viveu essa experiência

Os #PontoLovers Rodrigo e Beta embarcaram em uma aventura inesquecível no Deserto do Atacama. Eles usaram como base o vilarejo de San Pedro do Atacama, local que é ponto de acesso às principais atrações da região.

Para chegar até a cidade de San Pedro do Atacama, os dois desembarcaram em Calama, a cerca de 100 km do local.

Inspire-se na aventura de Rodrigo e Beta e vá desbravar o Deserto do Atacama.

San Pedro do Atacama

O vilarejo de San Pedro do Atacama tem seu “centro nervoso” num espaço pequeno, de apenas 4 quadras.

Ele é bem pacato, cheio de cachorros nas calçadas, e na rua principal não podem circular carros.

Há muitos pedestres e muitas pessoas andando de bicicleta.

A oferta de restaurantes é bem grande e os preços e cardápios variam bastante de estabelecimento para estabelecimento.

Os restaurantes costumam deixar o cardápio escrito do lado de fora, para facilitar a escolha dos viajantes e muitos oferecem um menu executivo de almoço e jantar cujo preço costuma ficar entre $5000 e $13000 pesos chilenos.

Para fazer o câmbio de moeda também existem algumas opções na cidade, alguns restaurantes e sorveterias, como a Heladeria Babalu, também fazem a operação; os valores não são tão atrativos quanto em cidades grandes, mas é uma opção de última hora.

Caso você tenha ido despreparado para o frio ou sol/calor (os dois extremos existem no mesmo dia), não vão faltar opções para se equipar. Há lojas de grandes marcas com equipamentos mais sofisticados, mochilas de hidratação e sticks para hiking até pequenas barracas com artesanato e peças feitas à mão.

Se você é do time dos esquecidos, como nós, também tem uma farmácia na cidade. Os preços não são muito atraentes, mas ficar sem pasta de dentes é pior, rs.

Passeios

A melhor forma de curtir os passeios às principais atrações turísticas que existem perto de San Pedro do Atacama é contratando uma agência de turismo, que ofereça pacotes com traslado incluso.

O centro da cidade é repleto dessas agências e você pode optar por fechar passeios ali mesmo. Muitas vezes, o preço das atrações costuma ser mais barato dessa forma do que optando por fechar os pacotes antes mesmo de sair do Brasil.

No Deserto do Atacama, Rodrigo e Beta descobriram como viviam os moradores locais.
No Deserto do Atacama, Rodrigo e Beta descobriram como viviam os moradores locais.

Tour cultural Aldeia de Tulor - Likan Antay

O passeio para a Aldeia de Tulor não exige muito esforço físico, então foi o primeiro que fizemos por não saber como seriam os efeitos da altitude. Ele fica aos mesmos 2500 metros que San Pedro de Atacama, uma altitude que já estávamos aclimatados.

O povoado tem mais de 2.800 anos e ficou soterrado debaixo da areia que sopra da Cordilheira Domeyko, até ser descoberto por excursões arqueológicas na década de 30.

Na entrada da aldeia há uma pequena estrutura de casas de adobe, uma espécie de tijolo feito de palha e argila que é um material muito usado nas construções da região. Lá, eles explicam um pouco da cultura do povoado milenar: como se alimentavam numa região tão árida e com pouca vida, seus rituais e suas cerâmicas, já que esse era um povo majoritariamente artesão.

Depois há uma trilha até uma reconstituição do que eram as moradias desse povo. Lá dentro temos alguns objetos que mostram como preparavam os alimentos e como se protegiam do frio e do calor, além dos outros costumes da sociedade.

É importante andar sempre no espaço demarcado tanto nessa trilha quanto em todas as outras. Existem muitas ruínas que ainda não foram devidamente exploradas, então não podemos destruir essas relíquias milenares com uma atividade turística desenfreada e despreocupada. É preciso respeitar esse território e zelar pela sua conservação.

Alguns passeios no Atacama incluem paradas para almoço em cenários incríveis.
Alguns passeios no Atacama incluem paradas para almoço em cenários incríveis.

A parte antiga e soterrada foi levemente escavada e há uma ponte de observação para que a atividade turística não interferira no que ainda resta das ruínas.

Os guias comentaram que o sítio arqueológico precisa de mais investimento, mas por não ser um tour no guia de muitas agências, o valor da entrada não é suficiente para uma exploração maior do local.

É uma pena, nós achamos que foi um tour que agregou muito para entendermos a religião e a cultura local, que apesar de não ter formações rochosas ou lagoas fantásticas, é muito importante para manter a memória dos Likan Antay viva.

As belezas do Deserto do Atacama são perfeitas para o viajante que quer muita aventura.
As belezas do Deserto do Atacama são perfeitas para o viajante que quer muita aventura.

Hiking na Cordilheira de la Sal

A Cordilheira de la Sal fica no Valle de la Luna, a cerca de 10 km de San Pedro de Atacama. O hiking por dentro da cordilheira começa no Mirador de Kari.

Saímos caminhando em direção às dunas gigantes que levam do mirador até o vale da cordilheira.

A altitude desse passeio é mais ou menos a mesma de San Pedro do Atacama e como grande parte dele é uma descida, não sentimos muitos os efeitos do soroche, que pode atrapalhar um pouco a vida do viajante que não preste atenção a seus sinais.

Ao chegar no vale, entramos na cordilheira por caminho largo, esculpido por um antigo curso d’água que secou, e a partir daí foi como se estivéssemos entrando em um outro planeta.

As formações rochosas são incríveis e o sal domina completamente alguns pedaços da trilha. Por estar presente em grandes quantidades, o sal acaba dando a impressão de que estamos caminhando por neve, graças ao branco que cobre toda a região.

Ao final dos 7km de caminhada, depois de cruzar de ponta a ponta a Cordilheira de la Sal, chegamos na estrada que vem do Valle de la Luna, onde uma van estava nos esperando com lanches e água.

É importante ter preparo físico para fazer alguns passeios no Deserto do Atacama.
É importante ter preparo físico para fazer alguns passeios no Deserto do Atacama.

Bike na Garganta del Diablo

O passeio de bike na Garganta del Diablo acontece no Vale do Catarpe, às margens do Rio San Pedro, também a cerca de 10 km do centro de San Pedro do Atacama.

Depois de entrar no vale, pedalamos cerca de 4 km até o início da Garganta.

Assim como no hiking da Cordilheira do Sal, entramos por formações rochosas esculpidas totalmente por cursos d’água que se formam durante a época de chuvas.

O chão tem áreas de areia fofa, então é importante que a bicicleta tenha pneus grossos e que eles estejam levemente vazios para poder tracionar e facilitar o trajeto.

Existem partes que são bastante estreitas. Para poder atravessá-las, é preciso descer da bicicleta.

Apesar de ter a mesma altitude dos passeios anteriores, o caminho é uma subida suave e sentimos muita falta de ar ao pedalar pelos 2 km repletos de curvas e voltas.

No final da trilha há um pequeno monte, acessível por meio de uma trilha bem íngreme. O cansaço falava alto, mas deixamos as bicicletas na base dele e subimos. A vista é maravilhosa.

Lagunas no deserto? Si, Señor!
Lagunas no deserto? Si, Señor!

Lagunas Altiplânicas e Piedras Rojas

As Lagunas Altiplânicas são uma das atrações mais badaladas do Deserto do Atacama, elas estão localizadas a uma distância de 2 horas de carro de San Pedro.

O caminho é uma subida e fizemos paradas nos pequenos povoados de Toconao e Socaire no caminho para irmos nos aclimatando à mudança de altitude.

O cenário muda completamente: de deserto árido começamos a ter mais vegetação e mais vida.

Durante o caminho vimos vicunhas, o parente selvagem da llama, se alimentando da vegetação local. A altitude nas lagoas é de aproximadamente 4100 metros.

O Atacama proporciona visuais de tirar o fôlego.
O Atacama proporciona visuais de tirar o fôlego.

Havia neve nas montanhas e a temperatura era de quase 10 graus. O Sol é muito forte, por isso é importante levar filtro solar.

Há dois mirantes para observação e algumas agências oferecem um lanche neles.

Nós apenas ficamos admirando as lagoas por alguns minutos e seguimos para Piedras Rojas.

Após mais 1 hora de carro, chegamos à Piedras Rojas e aos seus lagos. Ventava muito na Laguna Tuyajto e não ficamos por lá. O mirante de Piedras Rojas também estava fechado, então paramos rapidamente na estrada para observar a vista.

Valle do Arcoiris

O Valle do Arcoiris tem esse nome porque é composto por uma série de montanhas e montes coloridos, formados por rochas de cores diferentes que foram se emplilhando ao longo dos séculos.

A primeira parte do passeio foi num sítio arqueológico onde vimos algumas pinturas e gravuras nas pedras, explicando um pouco da sociedade da época de 200 a.C.

Fizemos uma breve caminhada de 30 minutos entrando pelo meio do vale, observando as diferentes cores que cada parte dele tem. O passeio foi breve e já voltamos para San Pedro de Atacama.

O Deserto do Atacama é uma maravilha natural.
O Deserto do Atacama é uma maravilha natural.

Valle de la Luna

Esse passeio começa próximo ao final do hiking da Cordilheira do Sal e apesar de inicialmente parecer a mesma coisa, fomos surpreendidos.

Entramos por cavernas criadas pela água que costumava correr dentro da cordilheira.

 

O passeio é bem curto e rápido, mas isso não torna ele sem graça. Todos precisavam iluminar o caminho com o celular e precisávamos andar com cuidado, abaixados, por causa do tamanho da caverna.

Não recomendo esse passeio para quem tem claustrofobia, é muito apertado.

Ao final da caverna, retornamos por cima das rochas que formam elas e fomos para outro lugar do Vale.

Fizemos uma trilha pela lateral de uma duna de sedimentos de quase 30 metros de altura. Lá, tínhamos duas opções: seguir numa trilha até o final da pedra que apoiava a duna (aproximadamente 1,5 km) ou ir para o mirante que era logo acima do início da trilha. Fomos até o final e a vista foi a melhor recompensa.

Os incríveis Geysers El Tatio.
Os incríveis Geysers El Tatio.

Geysers El Tatio

Esse é outro passeio onde a altitude é muito alta: são quase 4.200 metros.

Leva-se quase 2 horas para chegar até lá e, por conta da altitude, esse é um dos passeios mais gélidos.

Chegamos a pegar temperaturas negativas lá.

Chegamos no nascer do sol e por conta do choque térmico do vapor dos gêiseres com o ar gelado, a paisagem fica linda.

Temperatura negativa no Deserto do Atacama? Sim!
Temperatura negativa no Deserto do Atacama? Sim!

São dois campos geotérmicos principais que formam o El Tatio.

Os grupos fazem uma caminhada rápida por eles, conhecendo os diferentes tipos de gêiseres, e logo depois já buscamos um lugar para tomar o café da manhã.

Em seguida, vamos ao segundo campo geotérmico, onde há uma piscina aquecida pelo calor das águas do campo e mais alguns gêiseres.

Vai com Multiplus

Gostou de descobrir o roteiro dos #PontoLovers Rodrigo e Beta no Deserto do Atacama?

Os dois ficaram em um hotel incrível, que proporcionou uma experiência maravilhosa e os ajudou a acumular pontos Multiplus. Descubra a hospedagem aqui.