Lhasa

Lhasa: uma lição de fé e devoção no coração do Tibet

Experiência única na vida de cada ser humano, com a força do povo tibetano

Lhasa, no Tibet, é uma cidade que promove atmosfera de paz e leva a um tour de muitos encontros, praticamente um retiro espiritual. Ela é berço do budismo tibetano e casa do líder religioso Dalai Lama. São muitos os adjetivos para esse município, mas o com maior popularidade é lugar dos deuses, como é conhecido.

Altamente turística, é possível desembarcar na cidade pelo Aeroporto de Lhasa Gonggar (LXA), a uma hora de táxi do sul. A política rigorosa com os turistas pode fazer você perder algumas horas ou dias para conseguir o visto chinês, inclusive, ao desembarcar, é preciso apresentar passaporte e uma autorização especial para visitar a região. Durante o voo, é possível desfrutar de uma vista linda pelos vales do Himalaia, afinal, estamos falando de uma das cidades mais altas do mundo.

Com estradas que mais parecem um tapete de tão lisas, Lhasa chama atenção por toda infraestrutura, a começar pela Qinghai-Tibete, que liga a cidade a outras ferrovias, como a metrópole Pequim. Seja de trem ou de avião, um aviso importante aos turistas é que a altitude pode se manifestar de uma maneira inesperada no organismo. É comum sentir náuseas, dor de cabeça e falta de ar, por isso são vendidas latas de oxigênio em vários lugares, item indispensável ao chegar em Lhasa. Tomar muita água também é imprescindível.

Entre os cartões-postais mais impressionantes de Lhasa, está a Barkhor Street, localizada ao redor do Templo de Jokhang. Lugar de devoção, será inevitável que o turista se sensibilize com o forte cenário religioso, com diversas pessoas em oração, circulando ajoelhadas em sentido horário em uma prova de resistência em nome da fé.

Além de toda expressão espiritual dos tibetanos, em determinadas épocas do ano, as ruas estreitas dão lugar a algumas tendas com vendas de objetos. Muitas lojas também encantam os turistas pela diversidade de souvenirs. Diferente de outras cidades que oferecem toda liberdade de ir e vir, em Lhasa é preciso contratar um tour com empresa privada.

Onde Ficar
Jardin Secret Hotel Lhasa
Jardin Secret Hotel Lhasa

Jardin Secret Hotel Lhasa

No.60, Jinzhu West Road - Chengguan
Four Points by Sheraton Lhasa
Four Points by Sheraton Lhasa

Four Points by Sheraton Lhasa

No. 10, Bo Linka Road
Shangri La Hotel Lhasa
Shangri La Hotel Lhasa

Shangri La Hotel Lhasa

19 Norbulingka Road
Onde Comer

House of Shambhala Restaurant

No.7 Kirey 2nd Alley, Across Muru monastery alleyway, Lhasa, Tibete, China +86 891 632-6533

O restaurante fica no Shambala Hotel, localizado no bairro antigo, o Old Lhasa. Ele serve, principalmente, comida ocidental, mas também quase tudo tradicional em grandes porções. Portanto, é um ótimo lugar para ir com amigos e experimentar mais pratos. Todas as refeições prometem agradar com preço justo e o restaurante possui um ambiente maravilhoso e romântico.

Namaste Restaurant

Lupug 5th Lane Gate 11, Lhasa, China

Namaste tem um cardápio que vai da cozinha continental à tibetana, passando pela nepalesa, indiana e chinesa. Entre seus melhores pratos estão o naan (pão indiano), o chow mein de yak e a marsala de cogumelos. Servem refrigerantes e cervejas geladas, e é sempre avaliado como uma das melhores opções em Lhasa.

Ando Norzen

7 Ji Ri Er Xiang, Chengguan Qu, Lasa Shi, Xizang Zizhiqu, China•••.

A casa se encontra em uma das portinhas de Old Lhasa, perto do Hotel Shambala, e promete uma refeição divertidíssima. Lá, os funcionários são extrovertidos e muito característicos, mas nenhum fala inglês e o cardápio está todo em tibetano. Use o tradutor ou surpreenda-se e deixe seu sexto sentido falar mais alto. Os pratos favoritos são o cogumelo tibetano com arroz, que vem com bastante caldo, e o momo – um tipo de bolinho de massa cozido no vapor com algum recheio (legumes, queijo ou carne) que se parece com guioza.

Onde Ir
Templo de Jokhang, Lhasa, Tibet.
Templo de Jokhang, Lhasa, Tibet.

Templo de Jokhang  

Chengguan, Lassa, Tibete, China

O Jokhang Temple é o lugar mais sagrado do budismo tibetano. Foi construído no século 7, pelo primeiro rei budista do Tibete, numa posição misticamente indicada por um estudo geomântico e de acordo com uma lenda. A história conta que vivia uma demônia gigantesca na região e que os budistas conseguiram subjugá-la e prendê-la debaixo da terra com 108 selos – que são, na superfície, templos. Cada um desses selos está relacionado a uma parte do corpo da demônia. O Jokhang é o templo que prende seu coração, a parte mais importante. Você também pode entrar no Jokhang e conferir algumas relíquias. O passeio dura aproximadamente uma hora, e a entrada só é permitida uma vez. Depois, você pode apenas passear em volta. Do ponto mais alto, se tem uma linda vista da praça e das montanhas ao fundo. Ao redor do templo é o principal local de peregrinação dos budistas tibetanos e a qualquer horário você verá uma multidão fazendo a kora ou as prostrações.

Monastério de Sera, Lhasa, Tibet.
Monastério de Sera, Lhasa, Tibet.

Monastério de Sera

China, Xizang Zizhiqu, Lasa Shi, Chengguan Qu, meio da estrada

Se ra em tibetano significa rosa selvagem, como as que crescem nas encostas de onde está localizado. O monastério é um dos três maiores e mais importantes do Tibet, considerado uma universidade, com capacidade para 6 mil monges. A atração principal é o debate dos monges, que acontece todos os dias às 15h. Eles discutem, basicamente, o budismo tibetano e para os visitantes se torna um processo de aprendizado sobre sua origem e filosofia. Os debates são realizados ao ar livre através da troca de desafios entre aprendizes e mestres sobre as escrituras, em um ritual seguido por todos os monges: primeiro, giram o rosário de orações envolto no braço e batem palmas e o pé durante uma pergunta. Ao ser formulada a pergunta, a resposta deve seguir-se de imediato.

Palácio Norbulingka, Lhasa.
Palácio Norbulingka, Lhasa.

Palácio Norbulingka (Palácio de Verão do Dalai Lama)

Luobulinka Rd, Chengguan Qu, Lhasa Shi, Xizang Zizhiqu, China

O Norbulingka toma espaço num imenso jardim, fresco e repleto de flores. É um lugar tranquilo e gostoso de visitar, onde você pode fazer um piquenique ou apenas descansar no gramado. Eventualmente, acontecem espetáculos e sempre tem pessoas alugando ou vestindo roupas típicas, bem teatrais, para um registro fotográfico. O local também se constitui por diversos prédios, sendo o primeiro construído em 1755 pelo sétimo Dalai Lama, e os seguintes foram incluindo anexos e edificações. Os três prédios existentes vêm sendo restaurados e mantidos pelo governo chinês, pois o Norbulingka foi declarado, em 2001, Patrimônio Cultural pela UNESCO.

O que levar

Em qualquer época do ano, leve uma blusa corta-vento, luvas e gorro, pois a noite é sempre mais fria. Também carregue consigo:

Filtro solar

Muita água

Roupas leves

Tênis confortável

Dicas de quem #VaiComMultiplus

Dicas:
Curtidas:
Classificação:
Preço:

Mais destinos pra você